Translate

domingo, 19 de março de 2017

CAMISETA CULTURA INDÍGENA

Seja um parceiro da ARACI CULTURA INDÍGENA, contribua  adquirindo uma camiseta do Evento Semana Cultural Indígena 2017, por apenas $ 35,00 ( Trinta e cinco reais). Obs. Despesas e tarifas dos correios por conta do cliente.
Caso queira contribuir com qualquer valor depositar para ARACI CULTURA INDÍGENA, Banco Caixa Federal, C/C 593-3. AG 4207, Operação 003
"Cultura Indígena Apoia Essa ideia"
araciculturaindigena@gmail.com


terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

A Campanha Continua. Doe um Livro com temática indígena.

Foto: Daniela Arcanjo Rodrigues
Cultura indígena conhecendo a historia de um Brasil verdadeiro!!! 

A Biblioteca Comunitária Koxomonety é uma iniciativa da ARACI CULTURA INDÍGENA, localizada na cidade de Bauru SP. ARACI CULTURA INDÍGENA através da  Biblioteca Koxomonety traça seu objetivo maior que é  à difusão da cultura dos povos indígenas existente no Brasil, para os leitores  da cidade de Bauru e Região. Implantada  para um públicos apaixonado  em  querer conhecer  a cultura Indígena através dos livros, formando assim,  novos adeptos em defesa da causa indígena. 
A realização do Projeto Biblioteca Comunitária Indígena koxomoneti é urgente, pois   estará contribuindo para o fomento e a disseminação, sobre a cultura indígena. Seu acervo estará proporcionando subsidio   para os educadores e alunos em suas pesquisas acadêmicas, trabalhos científicos, trabalhos escolares etc. 
Pela falta de conhecimento  sobre a  questão  indígena, tema pouco discutido nos meios educacionais deixa uma lacuna em cumprir a  lei 11.645 como de fato, e os maiores prejudicados, são os alunos  que aprendem a cultura indígena  de maneira equivocada. 
Do início da campanha em 2016, hoje a biblioteca Koxomonety tem 600 acervos só de temáticas indígenas que trazem aproximadamente 20 etnias, a biblioteca  está  pronta para atender toda sociedade, livros organizados em um único lugar, pelo fato desses materiais estarem espalhado pelo Brasil.  
ARACI CULTURA INDÍGENA é uma entidade sem fins lucrativos, que necessita do seu apoio para continuar essa luta em  diminuir o preconceito contra o indígena, através da leitura e do conhecimento. 
A Biblioteca Koxomonety também ajudará   para o fortalecimento,  da questão indígena na cidade de |Bauru SP,   democratizando e dando acessibilidade ao  universo dos povos indígenas no Brasil. 
Aos parceiros que contribuíram para este acervo agradecemos do fundo do coração, pelo fato de uma ideia sair do papel para realidade. 
Ma  nossa campanha continua, precisamos de mais livros,   amigos entra nessa campanha doe um livros.  
Contato e-mail araciculturaindigena@gmail.com, endereço para   envio para Praça Machado de Mello s/n Estação Ferroviária - sala ARACI, Bauru SP, Centro, CEP 17010-280. Dentro da cidade de Bauru iremos buscar o livro em qualquer local. 
Observação  Livros só com temática indígena, antropologia etc.

Agradecimentos:
ARGOS Editora Universitária
Editora Curt Nimuendajú
Canal 6 Editora
FUNAI - Brasilia /DF
FUNAI - CTL Bauru/SP
Iepé - Instituto de Pesquisa e Formação Indígena
ISA - Instituto Sócio Ambiental
Marco Aurélio Nedel (escritor)
Museu do Índio - RJ
NEPPI - Núcleo de Estudo e Pesquisas das Populações Indígenas -UCDB/ Mato Grosso do Sul
Todos amigos que doaram livros

Alguns acervo da Biblioteca Koxomonety



 





 











 Qualquer doação em espécie, depositar para ARACI CULTURA INDÍGENA: BANCO CAIXA FEDERAL, C/C 593 -3, AG 4207, OPERAÇÃO 003
Cultura Indígena Apoie Essa Ideia

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

ARACI CULTURA INDÍGENA ARTICULA APOIO COM PREFEITURA DE BAURU.



Reuniões com prefeito Clodoaldo Gazzetta e secretário de Cultura Luiz Fonseca buscam organizar atividades na temática indígena.
Texto Lucas Mendes:

Foto: Lucas Mendes
Na missão de expandir e divulgar o conhecimento sobre a causa indígena em Bauru SP, a ARACI Cultura Indígena participou, nas últimas semanas, de reuniões com gestores municipais. O prefeito Clodoaldo Gazzetta recebeu em seu gabinete a diretoria da ARACI no último dia 17. Já o secretário de Cultura, Luiz Fonseca, pode conhecer as propostas do grupo nesta quarta-feira, 01/02.
O executivo municipal se mostrou aberto às propostas da ARACI e disposto a tomar providências para organizar futuras atividades. O diálogo próximo com a Prefeitura de Bauru é essencial para o crescimento das atividades relacionadas à questão indígena – na cidade, a ARACI é a única entidade regular a tratar da causa.
Além de expor as atividades realizadas pelo coletivo desde 2014, as reuniões serviram para apresentar propostas de difusão da cultura indígena em Bauru. A ARACI propõe o projeto “Rede Indígena Central”, que tem a intenção de quebrar paradigmas e preconceitos, democratizando o conhecimento acerca da diversidade cultural dos povos indígenas brasileiros.
Foto Lucas Mendes
Outra iniciativa é a luta para encaminhar à Câmara Municipal de Bauru um Projeto de Lei que acrescente ao calendário de eventos da cidade a “Semana da Cultura Indígena”. Realizada no mês de abril, a semana visa à difusão da cultura indígena através da educação e cultura. A ARACI também planeja institucionalizar o “Agosto Indígena”, criado em razão do dia internacional dos povos Indígenas (09/08). Vale lembrar que a ARACI já realiza, por conta própria, ambas as atividades.
Participação das reuniões Edenilson Sebastião (Cacique Chicão da aldeia Kopenoti) e Irineu Nje’a, ambos da etnia Terena, além de Valter Tomaz, Amarildo Gomes, Larissa Gomes, Marcio Coelho, Juliana Cássia.

Contexto Nacional
 A articulação indígena em Bauru reflete também a necessidade de organização a nível nacional. No dia 14/01, a gestão do Presidente  Michel Temer (PMDB), por meio do seu Ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, publicou a Portaria Nº 68, através da qual pretendia mudar os procedimentos de demarcação das terras indígenas estabelecidos pelo Decreto 1775/96.
No entanto, na sexta (19/010, Temer voltou atrás e revogou a Portaria nº 68. A nova portaria, anunciada no mesmo dia pelo Ministério da Justiça mantém a criação de um Grupo Técnico Especializado (GTE) para tratar de processos de demarcação de Terras Indígenas.
Segundo análise do Isa, Instituto Sócio Ambiental, o recuso não é motivo para comemoração. Na visão da advogada do instituto, “a medida dá ao GTE o poder de revisar o trabalho técnico de elaboração dos estudos conduzidos pela Fundação Nacional do Índio (Funai), o que fragiliza o trabalho da instituição”.

Fotos das Reuniões:

Fotos Lucas Mendes: Diretoria da ARACI: Lucas Mendes, Valter Tomaz, Juliana Lazarin, Irineu Nje'a, Amarildo Pereira, Marcio Coelho, Laryssa Gomes
Foto Lucas Mendes: Márcio, Irineu

Foto Lucas Mendes: Prefeito Clodoaldo Gazzetta, Márcio, Irineu


Foto lucas mendes:Cacique Chicão, Laryssa, Amarildo, Valter  

Foto Lucas Mendes


Fotos Lucas Mendes: Marcio, Irineu, Valter, Secretário Luiz Fonseca


Foto Lucas: Secretario de cultura Luiz Fonseca, Irineu, Juliana, Laryssa, Amarildo, Márcio, Valter.


Foto Lucas Mendes


Foto Lucas Mendes: Valter, Majô, Irineu




domingo, 25 de dezembro de 2016

NENHUM DIREITO A MENOS!!

Bauru participa de Mobilização Nacional Indígena, organizado pela ARACI Cultura Indígena, ato aconteceu no calçadão da cidade movimentado e tradicional lugar de comércio popular.
Em todo território nacional aconteceu no dia 21 de dezembro a Mobilização Indígena, um ato contra retrocessos políticos e decretos que alteram a demarcação de terras indígenas. Bauru não ficou de fora dos protestos e a ARACI Cultura Indígena organizou o ato no centro da cidade por ser um local de grande fluxo de pessoas.
O local foi à esquina da resistência, no calçadão da Batista de Carvalho, simbólico ponto de encontro, articulação e organização de movimentos sociais da cidade de Bauru SP.
Ocupando o espaço, a manifestação da ARACI marcou a presença da resistência e pode trazer um pouco de reflexão em meio ao efervescente movimento de compras de fim de ano na região. Com cartazes, faixas informativas, panfleto e uma lista de assinatura para o abaixo assinado, a intenção foi de alertar a sociedade bauruense para os perigos que a PEC – 215 podem trazer aos povos indígenas no Brasil, assim trazer mais simpatizantes para lutar junto aos povos oriundo dessa terra.
O governo Federal está elaborando uma proposta de Decreto para alterar as regras na demarcação das terras indígenas, acelerando em grande escala a continuidade ao grande genocídio que acontecem e aconteceu na história do Brasil. O governo pretende indenizar  através do marco temporal como solução para esses conflitos , mas  qualquer indenização é inconstitucional e ferindo os direitos indígenas (Jurídico Perfeito e Direito Garantido...) garantido na Lei que regem o país.
A Constituição Federal, no artigo 231, parágrafo 6º, diz que são nulos e extintos, não produzindo nenhum efeito jurídico, os títulos de propriedade sobre terras indígenas, também diz que o direito dos povos indígenas sobre as terras ocupadas tradicionalmente são originários, ou seja, existem antes mesmo da chegada do invasor colonial.
Ameaça aos direitos indígenas se configura na PEC ( Proposta de Emenda à Constituição) 215/2000, elaborada por Amir Sá (PRB-RR) e relatada por Osmar Serraglio (PMDB –PR). Nela está refletida uma importante bandeira ruralista: a passagem da Atribuição de demarcação de terras indígenas do Executivo para o Legislativo.
Capitaneada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), as organizações indígenas regionais que a compõem e suas distintas associações de base denunciam e repudiam “veementemente” a decisão do Governo Temer, de Colocar fim À demarcação das Terras indígenas, portanto à existência dos povos indígenas, por meio da edição de um Decreto que estabelece novos procedimentos para o ato de demarcação, em substituição do atual Decreto 1.775/96.